LIGUE (21) 3172.1756

Ousadia para saber que é hora de mudar

Empreendedor decidiu fabricar cadeiras em vez de seus componentes. Sucesso mostra que ele estava com a razão

Em 46 anos de existência, a Flexform já teve tempo de acertar, crescer, patinar, mudar de rumo e crescer ainda mais. A empresa, fundada em Guarulhos, na grande São Paulo, pelo imigrante italiano Ernesto Ianonni, produzia apenas componentes para a montagem de cadeiras. Mas sob a orientação do filho, Pascoal Ianonni, o negócio passou a fabricar a cadeira inteira.
A mudança começou a ocorrer no final dos anos 90, quando Pascoal, formado em administração, percebeu que o negócio da família sofria uma ameaça. “Nós estávamos nas mãos dos nossos clientes. Se aquelas empresas quebrassem ou simplesmente deixassem de comprar nossas peças, não haveria nada a fazer”, relata Pascoal.
Por isso, o empresário começou a alterar o modelo de negócio para que, aos poucos, as cadeiras saíssem prontas da Flexform. “Isso significava tornar-se concorrente de nossos próprios clientes”, destaca Pascoal. “Teríamos que buscar novos compradores, começar praticamente do zero.” Para Ernesto, a estratégia soava como um enorme erro. Já Pascoal, ao olhar para trás, enxerga o seu plano como o principal acerto da história da empresa, a decisão responsável por fazê-la mudar de patamar.

O filho conta com os números a seu favor. Enquanto era fornecedora de componentes, a Flexform vendia seus produtos para pouco mais de dez empresas e faturava cerca de R$ 35 milhões ao ano. Hoje, é líder no mercado nacional, exporta para seis países da América do Sul e deve registrar receita de R$ 155 milhões em 2011 – um crescimento de 26% em relação ao resultado obtido no ano passado.
O sucesso da mudança, porém, custou caro à família porque Ernesto não aceitou a atitude do filho. Pascoal economiza comentários sobre o assunto, mas refere-se ao pai somente como “o fundador”.

Chegar ao comando da empresa também teve um preço alto para Pascoal. Para colocar em prática a nova estratégia da empresa e mostrar que estava certo, o empresário exagerou na dose de trabalho. “Ficava aqui 16 horas por dia ou mais.”
Com uma crise de estresse, teve de afastar-se da Flexform por dois anos – bem no momento que seu plano começava a deslanchar. “Trabalhar demais foi meu maior erro”, admite Pascoal. “Além de ficar doente, minha ausência obrigou a Flexform a adiar o lançamento de produtos e postergar a implantação de outras medidas”, relembra o empreendedor.

O filho voltou à empresa em 2009. No ano seguinte, Ernesto vendeu sua parte no negócio e Pascoal, com o apoio da mãe e do irmão, assumiu o controle definitivo. “A sucessão foi um processo que deu certo para a empresa”, resume Pascoal.
Atualmente, a Flexform está de cara nova. O negócio ganhou sede moderna, verticalizou todo o processo produtivo e adotou modelo profissional de gestão. Também implantou uma política de benefícios aos funcionários e contratou o Instituto Great Place to Work para melhorar o ambiente de trabalho.

Além disso, a fábrica hoje conta com um laboratório – certificado pelo Inmetro – para atestar a qualidade de seus produtos. A Flexform ainda melhorou o design das cadeiras e lançou novas linhas de produtos – como bancos para as salas de espera dos aeroportos e assentos para estádios. Tudo para tentar aproveitar as oportunidades criadas pela realização da Copa do Mundo no Brasil.
Hoje Pascoal diz equilibrar a vida pessoal com o trabalho. Ele chega na Flexform às 6 horas, toma café da manhã na empresa e costuma voltar para casa pouco depois das 17 horas. Na recepção da nova fábrica, mandou instalar uma placa que diz: “Aqui se trabalha com alegria”.

O que acertei Para Pascoal Ianonni, deixar de ser fornecedora de componentes para se tornar fabricante do produto acabado foi a decisão que fez a Flexform deslanchar. Com isso, a empresa ganhou um novo mercado.

O que errei Trabalhar mais de 16 horas por dia fez o empresário ficar doente, se afastar da empresa e adiar o plano de expansão. O cansaço também fez Pascoal ficar improdutivo. “O corpo precisa de equilíbrio para funcionar bem.”

Uma dica Formar uma equipe qualificada e capaz de pensar em novas soluções é a melhor decisão que o empresário pode tomar, recomenda Pascoal. Para ele, o negócio só cresce se tiver compromisso

Fonte: Estadão PME

One Response to “Ousadia para saber que é hora de mudar”

  1. sac hermes
    14/09/2012 at 13:21 #

    Thanks for helping me to achieve new strategies about pc’s. I also contain the belief that certain of the best ways to keep your laptop in best condition is a hard plastic material case, or even shell, which fits over the top of one’s computer. Most of these protective gear are generally model precise since they are manufactured to fit perfectly within the natural casing. You can buy them directly from the seller, or through third party sources if they are readily available for your laptop, however only a few laptop can have a cover on the market. Just as before, thanks for your points.

Deixe um comentário

*